Maragojipe canta seus filhos

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Uma menção por bons serviços prestados…

Por Jorge Dias - Diário Maragojipano

Quando alguém divulga e fala bem de nossa querida Maragojipe merece ser mencionado, além de, claro, ser homenageado. Falo de Antônio Pastori, esse jornalista comprometido integralmente com a comunicação e com a cultura dos seus. Pastori tem demonstrado um carinho tamanho divulgando Maragojipe e apostando em sua força, que fico feliz em saber que família não é só a de sangue; É possível ter novos filhos mesmo que esse não tenha mamado nas tetas de nossos caranguejos e aratus. Assim fez Maragojipe, adotou e foi adotada pela sensibilidade eu-lírica do olhar generoso desse poeta que com sua câmera levou a expressão maior da cultura de nosso povo ao mundo. Durante anos, quem viveu o cotidiano de Maragojipe, pôde assistir ao desfile de “parasitas” que se aproveitaram da cidade de diversas formas. Verdadeiros sanguessugas, que passaram em nossas vidas apenas para destruir as poucas conquistas que havíamos conseguido com suor e irreverência.

Dizer que ama a cidade não basta, é preciso provar isso com ações de fato. Pastori provou! Ao ter registrado o nosso carnaval no documentário No Ilê das Máscaras (2009), Pastori deixou para todas gerações de maragojipanos a obrigação de manter viva tal memória. E o fez muito bem. Agora, Maragojipe poderá mostrar-se ao mundo por inteiro. Se nós, maragojipanos, pisamos na bola algumas vezes dando crédito a “estrangeiros” - até deixando um nos guiar – por que não podemos homenagear um cara honesto?

Como maragojipano sinto orgulho hoje, quando digo nos locais que passo, de onde vim. E todos me dizem. “Na terra daquele lindo carnaval?” Sim. Agora tenho identidade e não preciso mais explicar a ninguém que Maragojipe fica perto de Cachoeira para que as pessoas se localizem.

Ao assistir o documentário No Ilê das Máscaras senti mais orgulho ainda da minha terra e tive a sensação de que ganhei, em Pastori, mais um irmão maragojipano.

Não é mais necessário que a Câmara dê a ele o título de Cidadão Maragojipano: a população já o fez. Foi batizado! Axé Pastori… Seja bem vindo à sua nova casa!