Maragojipe canta seus filhos

domingo, 6 de março de 2011

Bloco das Almas "assusta" na noite maragojipana

Por Ana Caroline
Diário Maragojipano

“SE A MORTE É DESCANSO, PREFIRO VIVER CANSADO”

AS ALMAS

A noite de sexta-feira no carnaval de Maragojipe, pertence a elas: as almas. Os tradicionais Blocos do Silêncio, as divertidas almas penadas, passaram pela cidade informando ao povo que já é Carnaval. O que nos frustrou, porém, foi a quantidade de blocos. Apenas dois grupo deram o ar da graça, mesmo com o incentivo da Prefeitura em premiar também estes blocos (e a premiação não era ruim). Frustrante porque sabemos o quanto estes blocos são tradicionais na história do Carnaval da cidade, mesmo que para vê-los fosse preciso esconder-se em casa e olhar pelas frestas das portas e das janelas. Antes temidos pelos moradores, hoje são esperados na rua por todos e são motivo para momentos de diversão e gargalhadas.

Os quesitos julgados eram tradicionalidade, desempenho e originalidade, mas as “almas” não estavam muito animadas…

Banda de sopro anima noite maragojipana

A BANDA

Antes do Bloco do Silêncio (que andam com instrumentos fazendo barulho), a Banda de Sopro fez a festa no coreto montado na praça principal. Com um repertório bem maior que nos anos anteriores, a Banda fez a festa dos muitos foliões que lotaram a praça para encontrar os amigos, namorar e curtir a noite. Tocaram até a meia-noite e animaram a multidão que dançavam ao som das marchinhas carnavalescas. Outro ponto positivo foi o som que ficou depois de a banda parou de tocar. Axé anos 80, estimulando as lembranças dos que viveram os carnavais daquela década.

As almas ficaram devendo na presença, mas a animação não tirou férias. E no carnaval o que importa, no final, é a alegria.