Maragojipe canta seus filhos

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Atrações especiais e noites temáticas no Pelourinho mostra Carnaval de Maragogipe

Ao lado das atrações selecionadas pela comissão das Chamadas Públicas, a Secretaria de Cultura vai promover shows especiais dentro da programação do Pelourinho. Além de uma grande noite de abertura, todas as noites o Largo do Pelourinho será palco de shows temáticos e homenagens a guitarra baiana, a Luiz Gonzaga e a Riachão.

A partir da sexta-feira, na mesma hora e local, a cada dia um ritmo diferente ditará o clima da festa, abrindo as apresentações da noite. Teremos Gereba e convidados, num show de Forró em homenagem ao centenário do Rei do Baião (Luiz Gonzaga), uma noite do Samba em homenagem a Riachão, que sobe ao palco ao lado das cantoras Juliana Ribeiro, Clécia Queiroz e Claudete Macedo, uma noite das Orquestras, com apresentações da Rumpilezz, Orquestras de Fred Dantas e do Maestro Reginaldo, além de mais uma noite destinada ao ritmo característico do Pelourinho, a Percussão, num espetáculo com direção musical de Jorge Sacramento, que promove um encontro entre a velha guarda da percussão baiana e jovens instrumentistas. Após estes shows, a festa continua no Largo, com uma atração a cada dia, selecionada pela comissão.

Além das atrações musicais do Largo e praças, a partir das 16h, diariamente, o Carnaval do Pelourinho conta ainda com bailes infantis na Praça das Artes (em parceria com a Prefeitura Municipal de Salvador), desfiles de bandas itinerantes, performances e blocos alternativos. Este este ano, outra novidade da programação fica por conta das atrações do Carnaval de Maragojipe que desfilam pela primeira vez em Salvador em um intercâmbio promovido pela Secretaria. Ao todo, serão apresentações e shows itinerantes, totalizando quase 200 horas de música durante os seis dias de festa.

No Pelourinho, acontecem ainda as saídas de famosos afoxés e blocos afros, como os Filhos de Gandhy e o Olodum, com o luxo de ter como cenário da festa o casario dos séculos 17, 18, 19 e 20, reconhecido como a maior herança da arquitetura colonial-barroca europeia nas Américas, tombada como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.